Língua Branca: histórias

Bom,

pensei muito se devia ou não devia escrever o que passamos aqui por casa agora – conversei com a minha protagonista da luta e ela deu o ok. Do que se trata? Se trata de câncer de mama, ou melhor da p*&$@# do câncer de mama diagnosticado na minha esposa em fevereiro deste ano. Uma história de tratamento que ainda não acabou – e que, creiam, não é fácil: especialmente pra ela [agora deitadinha na sala meio dormindo] e não é fácil pra mim.

Resolvi escrever meio porralocamente, por assim dizer, isto é: sem datar ou fazer uma cronologia de qualquer coisa. Escrever com pouca obrigação – já que obrigação é dar aquela tonelada de remédios que ela toma para controlar os efeitos colaterais da quimioterapia. E curiosamente – não sei se ‘curiosamente’ é a melhor palavra, talvez a melhor fosse ‘desgraçadamente’ – tem remédios para controlar os efeitos colaterais dos remédios para controlar os efeitos colaterais, dos remédios para controlar os efeitos colaterais de quimioterapia.

Não tô doido não: quimioterapia => imunodepressão. Para este efeito colateral … granulokine => dor lancinante nos ossos [quadris especialmente].Para este efeito colateral … antiinflamatório =>gastrite. Para esse efeito colateral … omeprazol.

Não falei que era assim? Uma josta. Mas é a luta, fazer o quê? Só não venham me dizer que ‘é o de menos’. De menos é o cacete! É um monte.

Um blog que merece ser lido é o da Márcia Cabrita: o ‘Força na Peruca’, se o nome já é genial, alguns posts a gente queria ter escrito. Vejam esse:

Como não encher o saco de alguém que está com câncer

Acho que de uma vez por todas merecemos não ouvir mais:

– “Aquela doença”

– “A cura está na cabeça”

– “Vc deixou a doença entrar”

– “Câncer é tristeza”

– “Câncer é carma”

– “Somente o amor aos filhos, a alegria de viver, a fé e o pensamento positivo podem salvar”

– “Fulano perdeu a batalha contra o câncer”

– “Conheço alguém que se curou de câncer em estado terminal só tomando essa erva milagrosa”

– “Todos os efeitos colaterais são “o de menos”

O que merecemos ouvir:

– “Posso te ajudar?”

– “Rezo por vc e sei que vai ficar boa”

– “A medicina evolui a cada dia.”

– “Isso vai passar”

– “Ficar careca é ruim sim, comprei um lenço lindo pra vc, quer esperimentar?”

– “Só liguei para vc saber que estou pensando em vc”

– “Eu te amo”

Se vc for muito rico:

– “Posso pagar a cirurgia’

Se vc for médio rico:

– “Posso pagar próxima consulta”

Se vc for pobre:

– “Trouxe esse pirulito”

Formidável. Penso em fazer um cartaz pra por na porta de casa – e distribuir uns panfletos de leitura obrigatória ANTES de algumas visitas entrarem aqui. Assim tipo avião. Aliás acho que vou preparar um kit pré-visitas: panfleto e video, pra ver se todo mundo aprende que dar carinho nessa hora é o que importa. O resto … os devastadores tratamentos vão resolver.

Volto qualquer hora.

Abraços

*nota de rodapé: o ‘língua branca’ aí do título é uma ‘homenagem’ a candidíase da segunda semana após a quimioterapia.

** o site da Marcia Cabrita é esse aqui http://marciacabrita1.blogspot.com/ é otimo 🙂

*** publicado originalmente em 25 de junho

  1. Puxa.. entrei no sei site pela videoaula q vc publicou no youtube.. queria agradecer.. mas acho que fiquei meia chocada..
    Vou rezar pela recuperação da sua esposa.. e sim, graças a DEUS a medicina esta evoluindo muito.. e tenham fé, vcs vencerão essa luta.
    Estarei orando/rezando e pedindo a Deus por vcs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: